28 de mar de 2011

Phantasy Star Universe: Ambition Of Illuminus (Multiplataforma)


Ah, nada como um sono restaurador pra renovar as energias. Pois é, antes de escrever este post tirei um cochilo de duas horas, após uma boa lida. Fui jantar e tudo mais, agora pouco. Pois bem, antes desse review em si, uma pequena aula de história sobre a franquia sobre a qual falamos. Phantasy Star foi criada "a pedido" dos fãs da SEGA numa pesquisa no fã-clube da empresa, no qual os jogadores revelavam que o título que eles mais esperavam era Dragon Quest III, da Enix. Mas como a SEGA tava de mãos atadas, eles tiveram que criar um RPG próprio e assim surgiu Phantasy Star.



 Misturando a magia medieval com a tecnologia do futuro, surgia uma franquia de ouro, que rendeu quatro jogos principais, alguns adventure games na MegaNet e um episódio cancelado no Sega CD/Mega CD. Com o advento da geração passada, a SEGA achou por bem renovar a franquia, se aventurando no mundo on-line, assim surgiu o Brilhante Phantasy Star On-line, que apesar do nome podia ser jogado Offline sem problemas (mais ou menos como o Ragnarok DS, mas isso é história pra outro dia).

 Phantasy Star Online ganhou algumas expansões e o último episódio, para GameCube era bem peculiar, por assim dizer. Algum tempo depois, a SEGA lança Phantasy Star Universe, primeiro para PS2, chegando em seguida para Xbox 360 e PC's. Mesmo não tendo levado críticas tão boas quanto Online, apesar disso, ainda foram positivas. Em 2007, a SEGA lança a expansão Ambition of Illuminus. No PS2 e PC's, a expansão foi tratada como um disco independente, enquanto que no 360 era conteúdo para download que necessita do disco do PSU original, na época de lançamento paga, hoje é gratuita, e é essa expansão/continuação que será analisada hj.


Phantasy Star Universe: Ambition of Illuminus
Produtora: SEGA
Plataformas: PS2/PC/Xbox 360
Gênero: Action RPG/MMORPG
Número de jogadores: 1 (Versão PS2/PC)/Ilimitado (X360 Online)

AVISO: HÁ SPOILERS SOBRE O FIM DO MODO HISTÓRIA DO PHANTASY STAR UNIVERSE, NÃO DIGAM QUE NÃO AVISEI.

Ambition of Illuminus continua de onde a história de Phantasy Star Universe havia terminado.

Logo após a derrota de Magashi e do Endrum Collective, uma misteriosa seita conhecida como "Os Illuminus" apareceu e ameaça exterminar todas as raças não humanas (Numans, CASTS e Feras). Os próprios Guardiões (GUARDIANS) estão sob ataque e Ethan Waber (o protagonista do modo história de Phantasy Star Universe) é procurado por uma tentativa de assassinato. Determinada a encontrar Ethan de qualquer jeito, está a instrutora dos Guardiões, Laia Martinez. Como um novo Guardião, tutorado por Laia, o jogador deve procurar por Ethan e descobrir a verdade

Primeiramente,. nunca joguei o Phantasy Star Universe original, então vou explicar como a jogabilidade funciona. Basicamente, é um RPG de ação Hack'n Slash e mais pra frente falo de como funciona. Primeiro, o jogador terá que criar seu personagem, escolhendo entre quatro raças:


Humans: É a classe mais equilibrada do jogo

Newmans: Fraca fisicamente, boa em habilidades.

CASTS: Classe com melhor utilização de armas.

Beasts: Classe mais fortalecida em combates, a partir do nível 20 podem se transformar em feras.


A partir daí se escolhe sexo, cor de pele, estilo de cabelo e roupa, e é claro, que como tarado que és, fará uma ruiva peituda sexy, cujo nome vai remeter a alguma paixão de sua adolescência. NÃO MINTA PRA MIM, EU SEI QUE VOCÊ FIZ ISSO! Enfim, depois disso pode-se percorrer um tutorial básico (chato) e fazer uma pequena missão de teste (igualmente chata). A par disso, começa-se um jogo aonde se tem uma variedade de armas para se usar e combinações podem ser feitas. Algumas armas possuem habilidades especiais, que gastam Photons (equivalente ao MP), e com alguns botões, alterna-se entre elas, varia muito da necessidade do combate. Algumas armas são mais rápidas que outras. Os combates são relativamente simples, mas há alguns momentos de puzzles que vão deixar seus cabelos brancos. Mas basicamente, as missões serão de Vá do ponto A ao Ponto B e elimine inimigos. Por vezes haverão inimigos mais potentes e desafios mais cabeludos, como um chefe que me fez gastar muitos monomates.


Aliás, há diversos itens a serem coletados e sintetizados em armas novas (não que eu saiba como fazer isso), além de Armadilhas que podem ser compradas, há óculos para a detecção de armadilhas (essencial para evitar perda de HP) e uns outros ítens de carga de Photons (que também podem ser recarregados em cristais que aparecem nas cidades, e no meio das missões (quando há uma pequena parada) ). Entre as missões do modo história, podem ser cumpridas pequenas sidequests, que dão dinheiro e pequenas estátuas pra decorar seu quarto, e também há mini games e coisas ociosas para se divertir em outros planetas do sistema aonde se passa o jogo.


Graficamente é competente, os modelos são bacanas, mas falta a interação com os NPC's, a maioria deles some (como se "deslogassem" num MMORPG) ao se aproximar. Isso evita coisas como problemas de colisão e diálogos inúteis que assolam NPC's de RPG since 1986. Os cenários são muito bem feitos e alguns realmente passam uma sensação nojenta (como a de uma nave que é um organismo vivo ao mesmo tempo) ou de imensidão, no caso de um deserto.


Sonoramente conta com boas composições do time da SEGA, a abertura pode grudar na sua cabeça, por conta de que ela toca na abertura de cada missão. O resto das músicas são complemento dos estágios e dos momentos, alternando bastante e muito competentes. Há quase nenhuma dublagem, apenas uma narração no começo, os texto são colocados em balões de texto, o que evita toneladas de textos ruins. De resto, temos os efeitos especiais e os tons de vozes, que são escolhidos pelo jogador ao criar seu persongem.


Finalizando, mesmo não sendo perfeito, Phantasy Star Universe: Ambition of Illuminus é um jogo competente e divertido, mesmo que não lembre os clássicos, possui elementos comuns da franquia, como Monomates e Dimates, mesetas, etc. E acaba levando um 80/100 e nosso selo Luigi de qualidade! E pra finalizar, uma curiosidade: Os servidores Americanos e Europeus das versões PS2 e PC foram fechados, mas os da Versão X360 ainda permitem a jogatina.



Phantasy Star Universe: Ambition of Illuminus (SEGA, Sonic Team)
Nota: 80/100

5 comentários:

  1. Eu tenho minha resolvas sobre o rumo que a série Phantasy Star tomou depois que a mesma saiu dos 8/16bits, mas com certeza esse é um episódio ambicioso (vale o trocadilho com o nome?). Bom texto e boa forma de interação com seu leitor (atraves de votação é que PSU-Ambition foi escolhido)... "olha que eu copio, ein!" .

    ResponderExcluir
  2. Como não peguei Phantasy Star na era do Mega Drive (só fui conhecer o game em 2003, por intermédio de um fangame que citava os cenários ripados de Phantasy Star 1), posso encarar qualquer coisa XD e se comparado a outros action rpg's que costumo jogar ele é um tanto lento (pelo menos até se comprar armas novas do tipo adaga), mas no geral é um jogo no mínimo honesto. E eu acho que ia fazer algum comentário, mas esqueci =p

    ResponderExcluir
  3. Todo dia eu abro esse post para ler e não termino de ler, vou ver se faço isso amanhã quando acordar, to doido para ler sobre o jogo e só fico enrolando, para ler, para jogar...

    ResponderExcluir
  4. o jogo é gratuíto para ser jogado no servidor japonês, porém em modo um pouco limitado

    ResponderExcluir