23 de out de 2010

Bully (PlayStation 2)


Antes de mais nada, gostaria de falar sem medo que não sou muito fã dos games da Rock Star: sim, e eu estou me referindo aos jogos da famosa franquia GTA. Até hoje também não joguei muitos games desta série, tendo apenas jogado um pouco do San Andreas e mais recentemente do Vice City, sendo que este último eu curti mais, apesar do primeiro ter uma jogabilidade melhor.

Os meus motivos para eu não gostar tanto dos aclamados jogos da série GTA eu vou deixar para expor de forma mais “profunda”, quem sabe, numa próxima análise. Mas você que está lendo este texto deve estar se perguntando: “por que então você está falando sobre isso?” Acontece que por causa da minha não empolgação em relação aos GTAs, eu por muito tempo relutei em jogar um game da Rock Star que acabou se tornando um dos meus preferidos, entre todos os que já joguei no PlayStation 2: trata-se do polêmico Bully!

Bully é como se fosse “um filho” dos GTAs mas apesar disso, por causa de seu tema, eu acabei me familiarizando muito com este game e consequentemente gostei dele muito mais do que os GTAs que pude jogar até hoje.

Relembrando os tempos de escola!!!

Ao contrários dos games da série GTA, onde o jogador normalmente assume o papel de um criminoso, em Bully você entra na pele de Jimmy Hopkins, um garoto problema que está sendo mandado para sua milésima escola interna, após ser expulso de mais uma instituição de ensino por onde passou anteriormente. Agora ele deve viver (ou melhor, sobreviver) em “Bullworth Academy”, um lugar onde várias tribos de alunos buscam o controle do local, e portanto, vivem lutando entre si.

Quem nunca arrumou uma briga depois da aula? Ou colocou bombinhas no banheiro masculino do colégio? Ou mesmo passou a mão naquela aluna gostosa e saiu correndo? Bully dá a chance do jogador reviver tudo isso e muito mais!

Mesmo aqueles que só levavam a pior no seu tempo de estudante poderão se divertir muito ao jogar Bully: pois desta vez terão chance de se vingar, podendo dar uma verdadeira surra naquele valentão do colégio e ainda por cima humilhá-lo depois!

É melhor não matar as aulas!

Em Bully, Jimmy Hopkins poderá frequentar diversos tipos de aulas, mas para que o jogador possa cumprir as missões do game com mais facilidade, é aconselhável que ele não seja nenhum “matador” de aulas.

Se for bem nas provas de Química, por exemplo, Jimmy poderá fazer algumas “criações explosivas”; já o sucesso nas provas de Arte fará com que Jimmy possa se relacionar melhor com as garotas, e por aí vai! No game ao beijar uma garota a energia de Jimmy irá aumentar de acordo com seus progressos na aula de Arte, portanto ser um “bom aluno” em Bully é algo que recompensa, e muito, ao jogador.

Todo santo dia em “Bullworth Academy” o sinal irá tocar às 9:00 e às 13:00 horas, indicando que uma aula irá começar. No mapa do game as salas de aula são indicadas pela figura de um sino laranja, bastando então o jogador seguir esta indicação para encontrá-las.

Uma dica é que se o jogador ficar perdido e com dificuldades para encontrar a sala de aula da vez, bastará ficar andando pelos corredores a procura de um supervisor da escola, que pegará então Jimmy (com todo o “carinho” do mundo) e o levará automaticamente para a aula. Esta dica é ótima também para poupar tempo e a sola dos sapatos do jogador.

As missões de Jimmy!

A exemplo dos GTAs, Bully é um game que dá ao jogador liberdade para fazer praticamente o que quiser, mas há também o “Story Mode” com missões específicas que devem ser cumpridas para que se avance na trama do jogo.

Ao todo o jogo apresenta 6 capítulos, sendo que o último é um capítulo especial, onde o jogador já terá terminado todas as missões principais do game e então poderá jogá-lo somente para tentar atingir a porcentagem máxima de exploração do jogo, tendo que cumprir assim todas as missões secundárias e não obrigatórias que o game possui.

As missões em Bully inicialmente serão restristas ao espaço da “Bullworth Academy”, mas quando o jogador chegar ao segundo capítulo do game poderá então explorar a cidade onde a escola fica localizada, aumentando assim o número de missões não obrigatórias do jogo.

Gráficos e Sonoridade

Graficamente Bully é um jogo muito bonito, com cenários bem construídos e diversificados. O design dos personagens está muito bacana, onde se vê claramente detalhes que ajudam a dar vida e individualidade a cada um deles. De nerds dentuços a riquinhos com cortes de cabelo “mamãe sou gay”, Bully apresenta um grande número de personagens interessantes.

A tilha sonora é bacana, mesmo não podendo competir em pé de igualdade com as músicas encontradas nos games da série GTA: também pudera, pois nos GTAs encontramos os maiores hits de cada década!

Mas Bully, mesmo contando apenas com músicas que foram feitas exclusivamente para o game, ainda assim apresenta uma trilha cheia de temas interessantes que ajudam a ditar de forma perfeita todas as situações por qual o jogador irá passar no game.

Os efeitos sonoros não ficam atrás! Cada som presente em Bully é muito bem feito e ajuda a dar vida ao jogo. Destaque para a dublagem dos personagens, um quesito onde o time da Rock Star Games sempre faz um trabalho beirando a perfeição, e que em Bully não foi diferente! Cada personagem tem uma voz que encaixa de forma perfeita com sua personalidade, seja ele um mero nerd ou uma linda garota que chegou recentemente a puberdade!

Jogabilidade e Dificuldade

A jogabilidade de Bully é simples e precisa. Todos os movimentos de Jimmy podem ser executados de maneira praticamente imediata, sem atrasos, pelo jogador. Isso é totalmente necessário em vários momentos do game, portanto nenhum jogador poderá reclamar da jogabilidade por não estar conseguindo passar por determinada parte do jogo, pois ela é excelente!

Ao cumprir determinadas missões ou tarefas, Jimmy irá melhorando ainda mais suas habilidades, como o manejo de armas (não se assuste, as armas encontradas em Bully são mais “leves” do que normalmente encontramos em jogos do gênero, como bastões de baseball ou atiradeiras, nada de armas de fogo ou facas por aqui), ou na precisão que atira objetos, novos golpes de luta, etc.

Ou seja, a jogabilidade que já é excelente desde o início, ainda melhora mais a medida que o jogador vai tendo um bom desempenho nas missões e nas aulas de educação física do game.

A dificuldade do game é crescente, pois a medida que o jogador vai avançando no jogo mais difíceis vão ficando as missões, assim como as provas escolares. Como nos games da série GTA, pelo menos as missões podem ser repetidas a exaustão, até que o jogador possa se capaz de passar por elas. Agora haverá missões bem grandes, e se o jogador falhar no finalzinho delas, terá que começar tudo novamente, algo que pode frustrar jogadores menos habilidosos.

Em Bully existe a perfeita transição do dia para a noite, e isto afeta Jimmy como se ele fosse realmente um ser humano de verdade: se o jogador insistir em ficar acordo até tarde sem descanso, pode até mesmo acabar desmaiando de sono! E por falar em noite, o jogador ainda deve ficar atento com os inspetores da escola nestes períodos, pois eles estarão munidos de lanternas e farão vigília a madrugada inteira só para punir alunos que insistam em ter hábitos noturnos.

Conclusão

Bully pode até ser, para muitos, mais uma cópia de GTA. Já outros (onde eu me incluo) não consideram este game como uma mera cópia, e sim como uma evolução no gênero. Divertido ao extremo, este é um game daqueles que prendem o jogador durante horas e horas sem que ele perceba o tempo passando. Um jogo que deve ser apreciado sem nenhuma moderação, ainda mais por aqueles que tem saudade dos tempos de escola!


Ficha Técnica:
Ano de lançamento: 2006
Console: PlayStation 2
Produtora: Rock Star Games
Gênero: Ação
Número de jogadores: 1

Um comentário:

  1. Bully foi um dos jogos da minha primeira leva do PS2 (Por volta do fim de 2008, começo de 2009, quando ainda trabalhava a noite), e assim como o André, me surpreendi positivamente com ele. Teve certa vez inclusive que fui dormir cinco horas da manhã (tudo bem, eu chegava quase 1 da manhã em casa). A dificuldade achei variada, tem momentos no meio do jogo que são mais difíceis que certos momentos, perto do fim do jogo.

    Acho que esse, junto com o The Warriors e os dois Read Deads (O Revolver, feito junto com a Capcom e o Retribution), são os melhores Open Box da Rockstar, empresa que passei a admirar depois desses jogos em si.

    ResponderExcluir