18 de fev de 2010

Review: Metal Gear Solid (PlayStation)

Informações Gerais:
Título: Metal Gear Solid
Ano de lançamento: 1998
Console: PlayStation
Fabricante: Konami
Gênero: Ação/Espionagem
Número de jogadores: 1
1998: o ano em que o mundo todo pôde conhecer Metal Gear!

A série Metal Gear do gênio Hideo Kojima já havia feito um certo sucesso nos computadores MSX e até mesmo no NES, mas foi mesmo no PlayStation que a série se tornou famosa no mundo inteiro, graças ao lançamento daquele que é considerado por muitos como o melhor jogo já feito para o console de 32 bits da Sony: Metal Gear Solid, um jogo surpreendente para a época, com ótimos gráficos 3D, trilha sonora excelente e com um enredo tão bem escrito e criativo, que mais parece ter sido feito para um filme e não para um game. O modo de jogo de Metal Gear Solid não era novidade para os fãs mais veterenos do trabalho de Hideo Kojima, mas para uma enorme quantidade de pessoas que só foram ter contato com um jogo da série a partir deste lançamento para o PlayStation, o esquema “ação/espionagem” seria uma grata “surpresa”!
Nada de sair simplesmente dando tiros nos inimigos!

Numa época em que os jogos de ação se resumiam simplesmente em sair matando seus inimigos com armas de fogo, Metal Gear Solid mostrava um novo mundo para toda uma geração de gamemaníacos, onde o mais importante seria infiltrar na base inimiga sem ser percebido pelos bandidos. Estratégia e lógica são primordiais para se dar bem no jogo, não adiantando nada o jogador simplesmente querer sair atirando em todo soldado que aparecer em seu caminho. Se o jogador agir como se ele fosse o “Rambo”, vai acabar sendo “descoberto” pelos inimigos, e desta forma acabará ficando em uma situação complicada! Um sonoro alarme irá soar quando o inimigo confirmar a presença do jogador, e reforços surgirão para fazer de tudo para eliminar o espião descuidado, que terá que fugir para escapar da morte certa, procurando um bom local para se esconder.
Faça uso de diversas técnicas para não ser descoberto…

Para não ser descoberto no jogo, o jogador poderá fazer os usos de diversas técnicas, como usar caixas como “esconderijo”, se esconder entre as paredes, fazer barulhos para distrair os inimigos, entre outras ações. Algo que facilita muito a vida do jogador é a pequena tela de radar que aparece no canto direito da tela do jogo, onde pode ser conferido a posição dos inimigos que estiverem próximos, bem como os demais objetos que estiverem na área. A medida que a trama de Metal Gear Solid vai se desenvolvendo, o jogador vai conseguindo vários tipos de armas e acessórios para ajudá-lo em sua missão. Muitas vezes um item que possa ser considerado à primeira vista como algo insignificante, mostrará ser de grande valor quando o jogador descobrir a melhor maneira de usá-lo.
Prepare-se para longas conversas via rádio…

Algo que chama logo a atenção do jogador que não conhecia a série antes de Metal Gear Solid, são as conversas via Codec rádio. Elas servem tanto para que o jogador possa receber dicas sobre o que fazer sobre em sua missão, bem como para receber ordens diretas de seu superior. É por meio dessas conversas “particulares” que a complexa trama do jogo vai se desenrolando com uma grande riqueza de detalhes. Durante o jogo haverá várias frequências disponíveis, pois o jogador terá variados tipos de personagens para se comunicar. As conversas via Codec rádio são realmente primordiais em Metal Gear Solid, porque é exatamente por meio delas (em uma frequência específica) que o jogo é salvo, permitindo assim que o jogador possa continuá-lo depois.
A história do jogo!
A história de Metal Gear Solid acontece alguns anos depois do jogo anterior, Metal Gear 2: Solid Snake (MSX). O lendário Solid Snake foi tirado da aposentadoria a força pelo seu superior, Coronel Roy Campbell, para cumprir uma missão importante que só ele pode dar conta. Um grupo de terroristas tomou conta de uma base na ilha Shadow Moses – localizada em um arquipélago do Alasca – e tomou como refém o presidente da ArmsTech Kenneth Baker e o chefe DARPA, e ameaçam fazer um ataque nuclear se suas exigências não forem aceitas em 24 horas.
A exigência dos terroristas é ter os restos do corpo do maior soldado que já houve, Big Boss, para analisar o seu DNA e criar um exército de soldados invencíveis. Eles estão sob o comando de seis membros da FOXHOUND: Decoy Octopus, Psycho Mantis, Sniper Wolf, Vulcan Raven, Revolver Ocelot e o chefe Liquid Snake. A missão de Solid Snake é infiltrar na base, salvar os dois reféns e descobrir se os terroristas tem como lançar um ataque nuclear ou não, e ainda impedi-los se o ataque for possível. Durante a missão Solid Snake vai ter muitas surpresas, sendo uma que ele vai descobrir é que o tanque bípede Metal Gear ainda existe.
Gráficos

Metal Gear Solid traz gráficos que hoje já estão ultrapassados, mas para a época em que ele foi lançado, eram inovadores. Os personagens do jogo estão muito bem feitos, cada qual com suas características únicas. A animação está perfeita! Os personagens executam movimentos bem realísticos, mostrando toda a competência do time liderado por Kojima.
Apesar do jogo se passar no Alasca, não pense que os cenários de Metal Gear Solid serão apenas neve por todos os lados. Durante a aventura o jogador passará por vários locais bem distintos, e os cenários são muito bem preenchidos com mobílias, armamentos, máquinas, entre outras coisas. Os (poucos) veículos presentes no jogo estão todos muito bem elaborados e totalmente condizentes com a realidade, mostrando que o foco de Kojima foi o de fazer um jogo mais realístico possível.
Destaque para as “cut-scenes” do jogo, que ajudam a ilustrar melhor a história, mostrando momentos hilários, tensos, tristes e decisivos de maneria perfeita! Tudo é tão bem feito e cheio de detalhes que a sensação é de estar diante da exibição de um filme de ação.
Efeitos e Trilha Sonora

Os efeitos sonoros são excelentes! Os sons das armas e veículos estão bem reais! Durante os estágios iniciais do jogo, Kojima e sua equipe tiveram um time da SWAT para ajudá-los, demonstrando como é feito o uso de armas, explosivos e veículos. Isto explica então a perfeição sonora do jogo em relação aos sons das armas e explosivos, já que os programadores de Metal Gear Solid puderam ter contato com armamentos de verdade. As vozes dos personagens estão igualmente perfeitas, onde não há um só dublador que tenha feito um trabalho ruim. Todos conseguem expressar muito bem todos os tipos de sentimentos pelos quais os personagens do jogo passam: seja nos momentos tensos, seja nos descontraídos ou mesmo nos tristes, cada dublador consegue dar um show na interpretação de seus personagens! Eu particularmente adoro (tudo bem sou um “pouco” sádico) os chamados desesperados via rádio que os personagens fazem ao personagem Snake morrer no jogo (Snake, pode me ouvir?! Snake?! Snaaaaake!!!). É algo bem trágico (pois o personagem principal acaba de morrer), mas “não sei porque” na maioria das vezes eu morro de rir dessas situações.
A trilha sonora é facinante, e os temas variam de acordo com os acontecimentos do jogo! Nos momentos em que o jogador está tentando invadir a área inimiga sem ser percebido a música é tensa; nos momentos de luta a música é eletrizante; nos momentos tristes as músicas são emocionantes e por aí vai! A Konami como sempre é mestre quando o assunto é trilhas sonoras, mas em Metal Gear Solid a produtora japonesa conseguiu se superar, criando músicas que agem no jogo de maneira perfeita, ajudando ainda mais no clima cinematográfico que a aventura idealizada por Kojima possui. Os temas de abertura e encerramento dão um show a parte!
Jogabilidade

A jogabilidade é totalmente funcional, com todos os comandos podendo ser acionados de maneira rápida e precisa. Os controles de Metal Gear Solid fazem uso de todos os botões do controle do PlayStation: o botão direcional move o personagem; o botão X serve para fazer Snake abaixar e se deitar; o botão O faz o personagem agir e dar socos; o botão “Quadrado” faz com que Snake agarre, derrube, mate ou use armas ou bombas; o botão “triangulo” aciona a visão em primeira pessoa; os botões L1 e R1 acionam itens e armas respectivamente; os botões L2 e R2 servem para abrir os menus de armas e itens; o botão “Select” aciona o rádio e o “Start” pausa o jogo.
Dificuldade

Há vários níveis de dificuldade para se escolher (very easy, easy, normal, hard e extreme, sendo que este último tem que ser destravado), portanto cabe ao jogador decidir qual nível está dentro de suas capacidades. Os inimigos encontrados durante a missão de Solid Snake possuem uma Inteligência Artificial muito boa, sendo que eles podem escutar até mesmo barulhos mínimos, como os emitidos quando o jogador corre acidentalmente em uma superfície de metal. Até pegadas deixadas na neve ou em poças de água são percebidas pelos inimigos, fazendo que os mesmos imediatamente comecem a vasculhar o local, seguindo o rastro deixado por Snake. Os chefes do jogo são os membros da FOX-HOUND, e cada qual possui suas particularidades e formas de serem vencidos. O jogador terá que enfrentar desde um hábil pistoleiro (Ocelot) até o próprio irmão-gêmeo (Liquid Snake) que travará ao todo três batalhas contra Solid Snake: a primeira pilotando um helicoptéro, a segunda a bordo do tanque bípede Metal Gear, e na terceira e última batalha tudo será resolvido no braço mesmo! O legal é notar que os chefes realmente não são repetitivos, e cada qual exigirá que o jogador descubra a maneira mais eficaz de derrotá-los. Destaque para a luta contra o chefão Psycho Mantis... quem viveu este combate sabe como ele foi memorável e surpreendente para a época.
Curiosidades
- Mesmo o Metal Gear lançado para o PlayStation sendo o terceiro jogo oficial da série (não incluindo o Snake´s Revenge lançado para o NES, que não é considerado como sendo um jogo “canônico”), Kojima decidiu não colocar um “3″ no título do mesmo, ao invés disso colocou apenas a palavra “Solid” no final. O motivo para isso é que os dois primeiros jogos da série eram muitos obscuros e poucos gamers os conheciam de fato.
- É engraçado notar que o título das sequências posteriores passaram a ter sempre a palavra Solid no final, mas agora com o adicional de um número que marcaria uma nova sequência para a série.
- Inicialmente Kojima queria que os jogadores pudessem ter uma grande interação com objetos encontrados em Metal Gear Solid, assim como a possibilidade de esconder os corpos de inimigos “abatidos” em compartimentos. Mas isso só foi possível de ser concebido em Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty, lançado alguns anos depois para o PlayStation 2.
- Metal Gear Solid teve uma grande campanha de promoção, que fez o jogo aparecer em diversas revistas e canais de TV mundo afora. O valor gasto com tudo isso foi de mais ou menos 8 Milhões de dólares.
- Metal Gear Solid ganhou uma versão melhorada para GameCube em 2004.
Conclusão
Metal Gear Solid é com todos os méritos um dos melhores jogos lançados para o PlayStation, sendo que para muitos este foi o melhor título do console de 32 bits da Sony. Ele foi sem dúvida o pilar para a consolidação de uma das série mais cultuadas atualmente. Se hoje milhares de jogadores tem no Sr. Hideo Kojima a figura de um gênio do video game, muito se deve ao seu excelente trabalho em Metal Gear Solid.
Análise escrita por: André Breder Rodrigues

7 comentários:

  1. Realmente, Metal Gear Solid foi e sempre será um jogo Fóda!!! Curtia pra caramba os gráficos e a jogabilidade deste game, porém, ão me interessava muito por ele ser difícil xD!
    Mas me lembro do Cyber jogando por muitas e muitas horas xD e curtia a história do game!!!
    Belo Post!! ^^

    ResponderExcluir
  2. Um dos meus MGS favoritos, sim o MGS3 Destroi, mas nada como aquele que foi o seu primeiro MGS.
    Ah, bons tempos aquele, lembro que me detonei o game diversas vezes e de todas as maneiras hahahah!!

    @††Netu††
    Realmente tu nunca teve muita paciencia mesmo Netu, graças as você que eu possui o MGS3, hahaha!!
    Filho ta perdendo coisas boas, corre atrás aproveita que tu é novo.

    @André
    Review de Enfartar meu caro, Excelent!!
    Sou apaixonado pela série, só preciso criar vergonha na cara e jogar os do MSX.
    Excelent POst ;)

    ResponderExcluir
  3. Ainda tenho muito preconceito contra o PSX.
    Acho que depois que desbravar bastante meu Sega Saturn isso pode começar a passar. Até lá, nada de Metal Gera Solid. Talvez experimente um dia a versão de GBC.

    Ótimo Post!

    ResponderExcluir
  4. MGS é simplesmente daqueles jogos que você deve jogar antes de morrer. Embora muitos critiquem algus jogos que sao mais filmes que game em si, mas só kojima sabe mesclar os dois de forma brilhante. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  5. Não tinha visto ainda que foi postado o primeiro do MGS do PSX. É um jogo fodástico mesmo, sem dúvida alguma.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Metal Gear é demais! Insuperável por qualquer outo jogo da série. Em suma, quem jgou esse original, não se surpreende com mais nada dentro da franquia, pelo contrário: acha defeitos nos outros em tudo quanto é lugar kkkk

    ResponderExcluir
  7. Metal Gear nem preciso comentar, aliás tenho que detona-lo de novo só pra encontrar e tirar fotos do tais "fantasmas" do game mas aja memory card pra isso!
    Abraço!
    http://mastersystemgames.blogspot.com/
    http://quemtaai-logan.blogspot.com/

    ResponderExcluir